O amor do eremita

Clarissa Appelt
1 min readNov 4, 2018

No chafariz

Um arco iris

Que vem e vai

Como essa vontade

De te chamar de meu amor

Não se pode culpar o eremita

Com sua missão solitária

De se afastar de tudo que ama

E distante de tudo

Encontrar alegria

Em esconderijos nada secretos

Como roseirais

em plena cidade

Você está guardado

Nas folhas do meu caderno

Como uma flor ou erva

Que eu não posso catalogar

E o beija flor

Que achou que era uma cobra

Comeu seus próprios ovos

E seu ninho agora

Vive vazio

As joaninhas trazem sorte

Ao surgirem despretensiosamente

Nos lugares menos esperados

Do quintal

Mas sob sol ou chuva

Diante do atlântico

ou pacifico

eu ainda espero

Um sinal

Eu ainda invoco

um ritual

Para dizer

Eu te amo

--

--